Passione é uma produção de 2010. Mas como uma boa novela, ninguém esquece. Nós temos uma lembrança em particular. Como se fosse um piloto automático, a equipe de comunicação corporativa da Metalúrgica Gouveia era “intimada” a disparar imediatamente um press release a todos os jornalistas, para anunciar um grande lançamento.

Se você não lembra, fique atento. Assim como as novelas nos dias de hoje, as novidades de sua empresa também podem facilmente cair no esquecimento. E nem sempre sua notícia poderá ser ilustrada por uma Fernanda Montenegro ou um Tony Ramos. Antes de interpretar alguma cena de Passione, é melhor ler as dicas abaixo:

  • Quantidade não significa qualidade. O número de inserções pode ser volumoso em relação ao porte da empresa, mas esse resultado é insuficiente para propiciar o esperado retorno para sua imagem. Valorize, sim, o espaço ocupado e o valor que uma divulgação certeira e estratégica representa.
  • Aquele texto repleto de palavras de efeito poderão encantar toda a alta cúpula da empresa. Uma legião de adjetivos enaltece os atributos da companhia. Mas para a imprensa, adjetivos serão sempre meros adjetivos.
  • Flores não se sustentam sem raiz. O primeiro parágrafo deve estar concentrado em apenas cinco perguntas: o quê, quem, como, onde e por que. O resto é acessório.
  • No caso de um novo investimento, empreendimento, produto ou serviço, direcione a notícia para veículos específicos. Estes, inclusive, poderão gerar até resultados quantitativos como efeito de replicação.
  • Pare de achar que você só deve falar de seu próprio umbigo. Contextualizar sua notícia com dados do mercado ajuda a despertar atenção para a notícia.
  • Evite chavões e lugares comuns. Se a empresa quer expressar que cresceu acima da média de mercado, traduza a informação em números.
  • 26% de crescimento é 26% de crescimento, não acima de 20% ou cerca de 30%.
  • Não faça da sua empresa uma redoma para a agência de comunicação corporativa. Abra as portas para trocar figurinhas sobre a estratégia para difundir cada notícia. Isso ajudará a extrair elementos além do trivial.
  • Prepare seus porta-vozes para eventuais entrevistas e saiba que a empresa será indagada a apresentar elementos além do que está escrito. Questionar é um dos papéis da imprensa e nem todos os advogados do diabo são como Al Pacino.

    Link relacionado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu